Malhação, o que fazemos de errado?

Bom dia amigos,

É com grande satisfação e alegria que publico um artigo escrito pelo amigo Carlos Magno.
Obrigada Maguinho, seus artigos e contribuições serão sempre muito bem-vindos aqui no blog!

Durante muito tempo vi em academias as pessoas malhando e suando. Já ouvi vários relatos desses “atletas de final de semana” dizendo que o importante é “suar a camisa”. Mas será que isso é mesmo verdade?

Pois bem, vamos antes de tudo entrar na física da coisa. Quando procuramos uma academia normalmente possuímos três propósitos básicos: perder tecido adiposo (a famosa gordurinha extra), ganhar massa muscular ou manter a saúde em dia.

O que significa perder caloria? Bem, de forma resumida a Física define caloria como sendo a  quantidade de calor necessária para a temperatura de 1 grama de água, sob pressão normal, se elevar de 14,5°C para 15,5°C. Nosso corpo, como máquina térmica que somos, precisa gastar energia para manter a temperatura em torno dos 36,7º Celsius. Essa energia provém dos alimentos que ingerimos e é a tão famosa “necessidade de calorias diárias” que lemos nas embalagens dos alimentos (trataremos melhor desse assunto em outro artigo).

Como seres da natureza que somos, interagimos com ela e nesse processo de interação acontece uma coisa chamada de troca térmica. A troca térmica é a transferência de calor do corpo mais energético para o menos energético, ou mais facilmente, do mais quente para o mais frio.

Quando malhamos, o nosso corpo queima as calorias e dessa forma ocorre uma elevação da temperatura corporal. Assim, a troca térmica precisa ocorrer entre o seu corpo e o ambiente a sua volta de forma que o calor saia do corpo para o ambiente, aumentando desta forma a necessidade de gasto calórico na busca pelo equilíbrio que, obviamente, nunca ocorrerá.

Ou seja, quanto mais frio o ambiente, maior a necessidade de gasto calórico para manter nossa temperatura dentro dos limites.

Já quando nos exercitamos no calor extremo ou em ambiente pouco ventilados/refrigerados, nosso corpo, ao invés de perder calor, o absorve do ambiente. Nesse processo o organismo entende que precisa liberar o excesso para evitar a hipertermia, e isso ocorre principalmente pelo suor. O suor funciona como fluido de arrefecimento levando calor para fora, mas também nutrientes essências para nosso corpo.

Além disso, o nosso corpo entende que, se existe calor em excesso, não necessita queimar tantas calorias e, assim, a queima diminui.

O que vemos como perda de peso ao suar, na verdade, é causada em grande parte pela desidratação, o que é extremamente perigoso para a saúde. E pior, nossos músculos precisam ser hidratados para que os nutrientes cheguem até as fibras e permitam seu funcionamento adequado e o tão desejado hipertrofismo muscular. Assim, a sudorese exagerada pode ser desfavorável não só ao gasto calórico como também ao ganho de massa muscular.

É claro que existem pessoas que afirmam que suar é bom para liberar toxinas e para baixar a pressão arterial pela liberação do excesso de sódio. Eles estão corretos só em parte, pois a relação custo X benefício é extremamente desvantajosa.

Então fica a dica: Ao fazer atividades físicas procure um ambiente não muito quente e hidrate-se o suficiente. Sua saúde e seus objetivos são os que mais têm a ganhar.

 Um forte abraço a todos do blog,

Carlos Magno Monteiro da Silva
Especialista em Saúde e Ergonomia
Mestre em Ciência da Motricidade Humana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *